Prefeitura divulga números do coronavirus em Campinas

Maior incidência de Covid-19: de 30 a 39 anos e morador da região central; Veja infográfico no final da reportagem

Há 984 em investigação e 146 foram descartados. De acordo com o boletim, todas as mortes aconteceram com pessoas acima de 60 anos, sendo um de 60 a 69 anos, dois entre 70 e 79 anos e outros dois acima de 80 anos.

A maior incidência de casos confirmados de Covid-19 em Campinas está entre pessoas com idade entre 30 e 39 anos. Nesta faixa etária foram 27 casos confirmados da  doença. Em segundo lugar aparecem pacientes entre 50 e 59 anos, com 14 confirmações. As regiões mais afetadas pela Covid-19 são a Leste, que concentra  47 confirmações, e a Sul, com 24. A primeira abrange bairros como Cambuí, Centro, distritos de Sousas e Joaquim Egídio, entre outros. A segunda conta com bairros como Jardim Guarani, Jardim Esmeraldina,  Parque Prado etc.

Os dados fazem parte do primeiro Boletim Epidemiológico do Novo Coronavírus, divulgado nesta quinta-feira,  9 de abril, pelo prefeito de Campinas, Jonas Donizette, em transmissão ao vivo pela internet. O documento foi elaborado pelo Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa) da Secretaria Municipal de Saúde. “Os dados revelam que a população mais jovem não está imune”, comentou o prefeito.   O boletim traz informações até 8 de abril, quando a cidade contava com 85 casos de Covid-19. Deste total, cinco pessoas morreram. Atualmente, Campinas tem 99 casos confirmados e cinco mortes por Covid-19.

Demais faixas etárias

Adultos, entre 40 e 49 anos, são 11 casos confirmados; seguidos por dez pessoas que foram confirmadas com idade entre 20 e 29 anos. O restante foi registrado em idosos entre 60 e 69 anos (oito casos); entre 70 e 79 anos (seis casos); mais de 80 anos (seis casos); em pessoas entre 10 e 19 anos (três casos).  Crianças entre 0 e 9 anos não foram contaminadas na cidade.

Demais regiões

As regiões Norte, Noroeste e Sudoeste registraram, respectivamente,  seis, quatro e quatro casos da doença. A Norte abrange bairros como Jardim Chapadão e Barão Geraldo. Já a Sudoeste é formada por bairros do distrito do Ouro Verde e outros; enquanto da Noroeste fazem parte bairros do Campo Grande.   Apesar de os números mostrarem a concentração nas regiões  Leste e Sul, é importante ressaltar que há 984 casos em investigação e que há uma comunicabilidade entre todas as áreas da cidade, uma vez que as pessoas se deslocam para trabalhar, fazer compras, estudar etc. Por isso, é importante respeitar o isolamento social.

De acordo com o boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, de 8 de abril, no Brasil, a fase de aceleração da doença deve acontecer entre 4 e 10 de maio e o pico da COVID-19 de ser na primeira semana de junho. Para o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, o pico da doença no estado de São Paulo deve acontecer na primeira semana de maio. Confira: