Inquérito sorológico estima 8 mil infectados no Ouro Verde e 8,5 mil no Campo Grande

Estudo foi feito de 3 a 15 de agosto em Campinas. Na cidade são 45 mil infectados pelo coronavírus

fotos: divulgação – Campinas divulgou hoje os dados do Segundo Inquérito Sorológico da Covid-19 na cidade realizado entre os dias 3 e 15 de agosto, com o objetivo de conhecer a circulação real da Covid-19 em Campinas.

Segundo o secretário Municipal de Saúde, Carmino de Souza, foram coletadas 1.876 amostras por meio de testes rápidos. Sessenta e nove foram positivas. “Existe um sorteio aleatório na cidade e o computador sorteia a rua e a casa, que é visitada pela equipe de saúde. Houve uma boa adesão, a população recebeu bem os agentes de saúde, não tivemos nenhum tipo de intercorrência ou problema, assim como no anterior”, disse.

O estudo concluiu que 45 mil moradores de Campinas já se infectaram pelo novo coronavírus, o que dá uma porcentagem de 3,68% da população. O inquérito apontou que o município tem 1,8 mais pessoas infectadas do que as 24.770 diagnosticadas até o momento.

No primeiro inquérito, em junho, o índice foi mais que o dobro do encontrado nesta segunda pesquisa. Na avaliação anterior, havia 3,8 vezes mais pessoas infectadas do que as registradas.

Mais resultados

A maior prevalência é na população de cor preta (6,8%), sendo que neste segmento, os idosos são os mais atingidos. Na sequência, vem os pardos (4,8%) e brancos (3,0%). O maior percentual de contaminação é nos adultos jovens, sendo a faixa etária mais atingida a de 30 a 39 anos.

Com relação ao local de moradia, a prevalência maior foi na região Norte seguida pelas regiões Noroeste, Sudoeste, Sul e Leste. Confira casos por região:

·  Sul: 12.295 (prevalência de 3,57% da população);

·  Norte: 11.127 (prevalência de 4,83% da população);

·  Noroeste – Campo Grande 8.528 (prevalência de 4,47% da população);

·  Sudoeste – Ouro Verde: 7.807 (prevalência de 3,60% da população);

·  Leste: 5.961 (prevalência de 2,3% da população).

Grande parte das pessoas com resultados positivos afirmaram usar, às vezes, máscara e álcool em gel. A maioria utilizou transporte público e saiu para lazer, compras não essenciais, visitas aos familiares e trabalho.

A pesquisa foi realizada pela Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Departamento de Saúde, do Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa) em parceria com o Departamento de Saúde Coletiva da Unicamp. Todos os resultados da pesquisa serão publicados na área https://covid-19.campinas.sp.gov.br/pesquisas.